terça-feira, 20 de março de 2012

CERROS DO LORETO

        No Loreto, 3º Distrito do nosso município, existe dois picos (cerros na linguagem local) que, famosos pela beleza e mistérios, se destacam servindo como marco do distrito e ponto turístico do município.
        São eles o Cerro Agudo (bicudo ou seio-de-moça) com 229 metros e  o Cerro do Loreto com 336 metros de altura, formados por rochas sedimentares antigas e acúmulo de restos de organismos vivos decompostos.
Cerro Agudo

Cerro do Loreto

        A vegetação nessa região é toda natural e bem variada, composta por árvores de pequeno, médio e grande porte tais como: Ipê, cabriúva, Louro, Angico, Canela, Grápia, Branquilho, Timbaúva, Guajuvira, Umbu, Aroeira, Cedro e muitas outras. Existem também arbustos e algumas espécies raras de cactus.
        A fauna é uma das mais variadas da região, onde podemos encontrar animais como: Bugio, Veado, Jaguatirica, Tamanduá, Lagarto, Tatu, Mulita (várias espécies), Gambá, ouriço, Zorrilho, Mão-pelada, Sorro, Paca, Cutia, Papagaio, Socó, Pomba, Urubu, Sabiá, Pica-pau, João-de-barro, Bem-te-vi, Cardeal, Periquito, Caturrita, e muitas outras espécies. 
        O Cerro do Loreto já serviu, inclusive de inspiração para poetas, conforme os versos de autoria de Assis Telles Touren de São Francisco de Assis, já falecido.

LORETO
Confesso que me inspirei
Admirando o Loreto
Não é azul e nem preto
Mas forma uma barra escura
Trezentos metros de altura
Naquela várzea bonita
Aonde o Loreto grita
Sou a natureza bem pura.

Nasceu naquele varzeado
Na beira do estradão
Que passa sobre o oitão
Quinhentos metros distantes
Daquele cerro elegante
Que nasceu atravessado
É o Loreto entonado
Um verdadeiro gigante.

Diziam os mais antigos
De toda aquela região
Na sua observação
Tem um sinal que não nega
De manhã quando se enxerga
A fumaça é quase certo
Que a chuva está muito perto
Quando o Loreto fumega.

Foi na sombra do Loreto
Que nasceu o Cerro Agudo
Que por enquanto é miúdo
De certo ainda filhote
Talvez o Loreto adote
Quem sabe se mais adiante
Também se torne gigante
Prá ser o maior do lote.

Na beira do Jaguari
Muito bem localizado
Está o Loreto entonado
Olhando o Horizonte
Embora não seja um monte
Mas na distância se inclina
É a natureza divina
Que trouxe o mundo em reponte

Eu te saúdo Loreto
Desta terra vicentina
Arquitetura divina
A mais sagrada e correta
Que a natureza concreta
De qualquer forma se ajeita
É a obra mais perfeita
Para inspirar os poetas.

Assis Telles Touren

          Por serem estes cerros muito antigos e envolvidos por uma aura de mistérios, também existem algumas crenças e lendas em torno deles.

CRENÇAS:
1- Dizem que só se deve subir aos cerros nas sextas-feiras ou então se for por trabalho, buscando ganhar o pão de cada dia, caso contrário, as pessoas podem ser picadas por uma cobra muito venenosa (cascavel) que fica sempre de guardiã.

2- É costume entre os moradores da região, escalar os cerros principalmente o do Loreto, na sexta-feira santa, como sacrifício e agradecimento a Deus e para colher macela (planta medicinal) que será usada em chás durante o ano todo, até a próxima colheita.

3- Diz-se também que em época de chuva, enquanto o cerro não parar de fumegar, é sinal que o tempo não vai melhorar. Cerro soltando fumaça é sinal de mais chuva. Ele é o metereologista da região.

LENDAS:
Lenda da Mulher de Branco
        Contam os antigos que quando a previsão era de grande estiagem (seca) na região, descia do cerro uma mulher vestida de branco, chorando, com uma criança no colo que seguia em direção ao rio Jaguari e, quando ao contrário, a previsão era de enchente a mulher saia do Jaguari e subia o cerro, sempre chorando e com uma criança no colo.

Lenda da Mãe do Ouro
        Dizem que a lenda mais famosa é a mãe do ouro, uma bola de fogo, que de 7 em 7 anos muda-se de um cerro para o outro (Agudo-Loreto) e que o ano em que ela se muda, é sempre de muita fartura, a colheita é farta, o gado dobra e não há seca e nem enchente.

Lenda do Enterro de Dinheiro
        Certa vez um homem, que trabalhava no cerro tirando madeira, encontrou um velhinho que lhe disse:
        - Meu filho, já no pé do cerro, no pé do angico grande, á esquerda do poço d'água, tem uma pedra, cava um palmo e podes tirar o que tem lá. Nunca mais vais precisar trabalhar no pesado. Mas vá sozinho!
        O homem não teve coragem de ir só, convidou um amigo e subiram a procura do lugar. Logo no início da lombada encontraram a tal pedra, levantaram-na, cavaram, e o que apareceu foi uma enorme cascavel, que os dois não conseguiram matar. Quando batiam nela, parecia estarem batendo em um couro de animal. Voltaram com muito medo, deixando lá o angico que dizem, ainda existe. 

Lenda dos Coqueiros (Cerro Agudo) 
        Conta-se que antigamente, quando alguém subia o cerro sozinho, era atraído por batidas de machados, se alguém estivesse cortando árvore, seguindo a direção das pancadas descobria um crecado, tipo mangueira, formado por vários coqueiros ligados por correntes. Se a pessoa voltava, contava a alguém e juntos voltavam ao lugar para ver o fenômeno, nada mais encontrava, nem vestígios do lugar.
        Alguns diziam ser enterro de dinheiro, outros afirmavam ser coisas da alma de um lenhador solitário que buscava companhia.

Vídeo feito pelos alunos da 8ª série de 2007 em uma excursão ao Cerro do Loreto.
A beleza desta localidade vista de cima. 

video